Anahata – O Chakra Cardíaco – e a sua saúde

Se você começou a ler esse texto, vamos começar com alguns pressupostos pra que o assunto não vire uma viagem sem pé nem cabeça. Eu suponho que você tenha uma ideia ou já tenha ouvido falar em chakras, em nadis, em meridianos de energia, e coisas do gênero. Não vamos entrar no mérito do “acreditar na energia” porque a coisa fica new age demais.

banner-heart-chakra-dunas

Os Chakras e a Bioenergia

Mas enfim, o nosso corpo produz bioeletricidade. Aqueles que são fãs de ficção científica, lembram dessa cena do filme Matrix que dá inclusive detalhes da quantidade de energia e calor que nosso corpo é capaz de produzir. Uma série de atividades do nosso organismo resulta na produção de energia – metabolismo, digestão, trocas gasosas que acontecem na respiração, movimento dos seus músculos, o pulsar do coração – são atividades que produzem energia dentro do seu biossistema. 

Alguns estudiosos de medicina ocidental utilizam a leitura dessa produção de energia do corpo como maneira de diagnosticar a saúde de uma pessoa e prevenir que doenças mais sérias possam se manifestar. Essa produção bioelétrica está diretamente conectada ao nosso corpo físico, material, e se espalha pelo corpo e criando e conectando diversos circuitos. Essas conexões criam regiões onde energias se acumulam com mais força, ou em maior quantidade. Perto do coração temos um Chakra – uma dessas regiões de concentração energética – conhecido como Anahata que, em sânscrito, significa algo do tipo “aquele que não foi atingido”. 

O Anahata, embora esteja alinhado e em sintonia com a pulsação do coração, muitas vezes é também associado a uma pequena glândula endócrina bem diferente: A Timo. Diferente porque ela aumenta de tamanho quando somos crianças, e atrofia já na puberdade. Ela chega a variar de tamanho, podendo ter até 37 gramas quando você chega na adolescência pra 5 gramas quando você chegar nos seus 70, 3 vezes menor do que era quando você nasceu. Essa glândula é responsável por secretar algumas substâncias, muito conectadas com a saúde do nosso metabolismo e sistema imunológico. Coisas como envelhecimento precoce, processos alérgicos e problemas de baixa resistência estão diretamente ligados a um mau funcionamento da Timo e o desequilíbrio de suas substâncias. 

Muitos estudos já foram feitos – e deixarei algumas referências científicas ao final do artigo* – explicando o poder das emoções na nossa saúde física. E as emoções que afetam diretamente o funcionamento energético do Anahata são aquelas consideradas mais sutis, como a empatia, a compaixão e o amor. Sem a presença desses sentimentos a pessoa vai, pouco a pouco, interferindo no funcionamento do Chakra cardíaco, consequentemente comprometendo o bom funcionamento da Timo e a manutenção saudável de suas atividades. Pessoas demasiadamente egoístas, com dificuldade de se relacionar – seja amorosa ou amigavelmente – que não conseguem se colocar no lugar do outro, e pessoas que não desenvolvem a auto-estima e o amor próprio, todos esses traços comportamentais afetam diretamente todo o seu biossistema comprometendo o funcionamento da Timo em um círculo vicioso onde já não se sabe mais a causa ou a consequência. O comportamento prejudica o corpo que, por sua vez, condiciona o comportamento dada a perda de saúde e assim a pessoa segue.

 

O poder da meditação

Para que a gente possa intervir nesse processo autofágico do emocional com o corpo, precisamos ter uma visão sistêmica a respeito do nosso comportamento e uma percepção de nós mesmos que não seja exclusivamente nutrida pelo status quo que o nosso Ego tanto adora. Muitas terapias podem ajudar nesse processo. Muitas vezes conversar com um psicanalista basta. Mas, às vezes, você ja ouviu tudo o que o analista tem pra te dizer, tudo faz muito sentido, mas a transformação no corpo e no comportamento não vem. 

Isso acontece porque transformação acontece de dentro pra fora, e não de fora pra dentro. Por mais que as coisas façam um certo sentido lógico pra você e convença sua mente, o seu corpo ainda não sente aquilo da mesma forma. A meditação é uma maneira de se reconectar com o corpo, entender as marcas que as emoções deixaram no teu corpo físico, que, como se não bastasse, vai expandir a sua consciência e a sua percepção sobre si mesmo. A meditação é extremamente útil para que possamos nos enxergar além da obviedade das situações.

Por meio da prática regular da meditação – e recomendo nesse caso as meditações ativas do Tantra – a pessoa começa a sentir melhor como os seus comportamentos e atitudes estão influenciando positivamente ou negativamente o seu corpo. Sentir, não entender. O trabalho meditativo, por ser uma reconexão com o corpo, é extremamente sensorial e absolutamente nada lógico. Os insights aparecem de maneira nada linear, manifestados de maneiras das mais diversas, conforme vemos nos encontros de meditação que fazemos. A partir do momento que a experiência traz esse sentido – entre corpo e comportamento – sem que ninguém tenha dito pra pessoa que ela precisa ser assim ou assado, a escolha de sair desse comportamento viciado torna-se muito mais presente, surge com muito mais força. É mais fácil parar de fumar quando se medita, assim como é mais fácil abrir o seu coração para um relacionamento que parece assustador como todos os outros antes dele.

 

Cuidando da Timo

Tudo que você ouviu falar que serve para cuidar do coração, serve muito bem para manter a Timo a todo vapor. Mas muito mais do que caminhar, pedalar e fazer alguns exercícios aeróbicos, precisamos nutrir o corpo de boas emoções. Aprender a desenvolver a compaixão, a conexão livre e desinteressada por outro ser humano, sair dos padrões estabelecidos pela sociedade e criar um olhar amoroso a respeito de si próprio, independente dos estereótipos e nomenclaturas vigentes. E isso pode ser um processo dolorido no começo, porque você pode sentir um enorme peso no corpo, como se tivesse perdido muito tempo da sua vida em emoções mesquinhas e nocivas à tua saúde. Mas passa. Como uma academia: o desconforto físico passa com a prática constante.

Se você sente alguns dos sintomas comentados anteriormente, como alergias, doenças autoimunes, baixa resistência física, envelhecimento precoce, ou qualquer outra consequência do mau funcionamento da Timo, procura referências amorosas no seu dia a dia. Encontre pessoas que você admira e troque um longo e demorado abraço. Procure fazer uma tarefa artística que te traz satisfação. Encontre uma pessoa em dificuldades e ofereça sua atenção para que ela possa compartilhar seu problema. Todas essas sensações de prazer, amor, compaixão, conexão e empatia vão ajudar a dissolver qualquer questão energética que possa estar ligada ao funcionamento dessa glandulazinha tão importante.

Aquela velha história que todo mundo já ouviu: uma raiva pode virar uma úlcera. Antes da emoção se somatizar, antes que você precisa de cirurgia e remédios pra vida inteira, você pode curar seu corpo pela meditação. Menos invasiva, mais barata, sem contra indicação e com todos os efeitos colaterais extremamente positivos. Vai esperar até quando?

 

Nota:

banner-heart-chakra-dunasDomingo dia 5/2 às 14h30min no Parque das Dunas, Moti, Vatya e eu, todos terapeutas tântricos, vamos conduzir um encontro gratuito de meditação chamado Meditação do Coração.

A ideia é nos sintonizarmos com esse centro de energia chamado Anahata e tentar perceber um pouco melhor como anda a nossa amorosidade, nossa compaixão e nossa empatia.

Bora sair do sofá e começar o seu processo de cura?

 

 

 

* Alguma bibliografia pra quem quiser se aprofundar (textos em inglês)

Rosenkranz, M. A. et al. Affective style and in vivo immune response: Neurobehavioral mechanisms. PNAS, Volume 100, pp. 11148-52, doi:  10.1073/pnas.1534743100

Marchant, J. Immunology: The pursuit of happiness. Nature, Volume 503, 27 November 2013, pp. 458-60, doi: 10.1038/503458a

Cohen, S. et al. Emotional style and susceptibility to the common cold. Psychosomatic Medicine, Volume 65, July-August 2003, pp. 652-7.

Cole, S. W. et al. Social regulation of gene expression in human leukocytes. Genome Biology, Volume 8, 13 September 2007, doi: 10.1186/gb-2007-8-9-r189

 

Transforme sua maneira de ver o mundo

o-mundo-ao-seu-redor

Você pode olhar pra cada pessoa ao seu redor e encontrar uma série de coisas detestáveis a respeito de cada uma delas.

Mas com certeza também pode olhar e encontrar as mais belas preciosidades do comportamento humano.

Você pode gastar seu tempo exacerbando os defeitos das pessoas ou enaltecendo suas qualidades.

Que mundo você quer criar ao seu redor?

 

Venha criar um mundo mais amoroso e acolhedor.

 

 

O Caminho do Amor Na Pedra da Boca

Caminho do Amor, campo de meditação do Centro Metamorfose que serve de base para a nossa Visão Tântrica, vai acontecer pela primeira vez aqui no Rio Grande do Norte, na Pedra da Boca, região serrana divisa com a Paraíba. A Pousada Fulô da Pedra acolheu com muita sinergia a proposta do nosso trabalho e vamos fazer uma parceria muito bonita. O lugar é mágico! Muita energia naquelas terras. Não poderíamos ter encontrado lugarzinho mais perfeito pra fazer esse Caminho do Amor!

Assim sendo, na sexta feira, dia 11 de março às 20h daremos início a esse encontro intenso, focado no encontro do indivíduo com a sua intuição, sua voz interior. Um encontro para desligar um pouco a cabeça e ir da mente para o coração, do pensar para o sentir. A partir das 19h os nossos anfitriões estarão servindo uma jantinha deliciosa.

Esse lugar maravilhoso está a 120km de Natal e 140km de João Pessoa. Até o Pessoal de Recife consegue ir de carro numa boa!

Alguns detalhes sobre o evento:

Toda a alimentação servida será ovo-lacto-vegetariana. A Fulô da Pedra possui uma abordagem de não-violência com todos os animais da fazenda. A hospedagem do grupo será feita em acomodações estilo albergue, com quartos coletivos, de maneira intencional, para maior integração do grupo. Eventualmente, podem haver outros hóspedes na pousada que não necessariamente estarão participando do Caminho do Amor, mas isso não irá interferir nas atividades pois o espaço das meditações é bem reservado!

O valor desse workshop, incluindo hospedagem e alimentação para todo o final de semana é de R$800. Quem se inscrever até o dia 31 de janeiro receberá 20% de desconto (workshop sai por R$640) e aqueles que se inscreverem até o final de fevereiro, recebem 10% de desconto (workshop sai por R$720). Quanto antes você fizer sua inscrição, melhor. Inscreva-se aqui!

banner-caminho-do-amor7

Se quiser saber mais detalhes, pode entrar em contato ou ler um pouco mais sobre o caminho do amor.

 

Delerium – Treinamento MultiOrgástico em Natal/RN

Muitos dizem que a intimidade e a rotina acabam com qualquer relacionamento. Pois para o Tantra, a intimidade é um combustível, uma grande aliada no processo de transformar o sexo em amor e o amor em meditação, abrindo portas para uma experiência meditativa e transcendental que aproxima os casais. 

Com base nesses preceitos, da sexualidade sagrada e na Visão Tântrica do Caminho do Amor, o Centro Metamorfose desenvolveu um encontro chamado Delerium – Treinamento MultiOrgástico para casais. Nesse encontro, ensinamos aos casais técnicas meditativas, corporais, sensoriais e energéticas que conectam os parceiros, criando um campo harmônico que permite uma nova percepção da energia sexual, a energia vital que permeia todas as células do nosso corpo. 

O casal aprende novos estímulos, novas nuances da sua sexualidade, que não só espalham mas também intensificam a energia orgástica, dando-lhe um caráter terapêutico. Essa energia circula livremente pelo corpo, desenvolvendo e aguçando todos os sentidos, permitindo que uma nova percepção seja percebida.

Todo o ambiente é preparado de maneira que cada casal possa se sentir à vontade em sua intimidade, mesmo estando em um grupo. A egrégora que é formada entre todos os participantes desperta uma energia de amorosidade, cumplicidade e respeito. 

Dias 29, 30 e 31 de janeiro teremos o primeiro encontro de Delerium acontecendo em Natal, na unidade do Centro Metamorfose em Ponta Negra. São pouquíssimas vagas – receberemos um grupo pequeno para podermos fazer um acompanhamento mais aprofundado das práticas desenvolvidas. Clique aqui e faça a sua inscrição.

 

AUM: Meditação, Consciência e Compreensão

-> Inscreva-se aqui

Nossas emoções estão conectadas ao que acontece com o nosso corpo ou estão sujeitas a fatores externos, como essa segunda-feira chata que não para de chover desde cedo? Será possível ter mais controle das nossas emoções? Aprender a contemplá-las sem apego ou senso de identificação? Ou estaremos já condicionados a ter as mesmas respostas aos mesmos estímulos sem sequer darmos conta do quanto do nosso comportamento é automático? Entre reação e estímulo existe um lapso temporal que pode ser preenchido com uma coisinha chamada consciência. A Meditação AUM ensina isso.

meditação aumAUM – além de ser uma das representações gráficas do ÔM, a vibração que deu origem a todo a existência segundo os hindus – é um anagrama para Awareness, Understanding and Meditation, que em português quer dizer Consciência, Compreensão e Meditação. 

Essa vivência é uma meditação social desenvolvida pela Humaniversity que praticamos algumas vezes no tempo que permaneci como terapeuta residente da Comuna Metamorfose. Ela tem uma série de estágios que se sucedem sem pausa, num processo que dura cerca de 2h30min. Ela é feita em grupo, tem atividade corporal, trabalho com voz, respiração, trabalha suas relações sociais, o Vishuddha, o seu centro energético da comunicação e da expressão e vários outros padrões físicos, mentais e emocionais.

A Meditação AUM é uma técnica que leva a pessoa mais perto do entendimento de que as emoções são nossas e nos preenchem da maneira que escolhemos. O pneu do carro fura no dia que você tem uma reunião cedo e ainda por cima acordou atrasado… Aí você, num súbito ato de extravasar uma mágoa, xinga, chuta, fica puto com o carro. Esse desabafo físico não é pelo carro, mas sim pelas diversas escolhas que você fez ao longo da sua vida que você começa a querer discordar. Preste atenção a isso. Raiva, mágoa, alegria, tristeza, tudo isso nasce dentro da gente, não de um fator externo, e geralmente têm algo valioso a dizer. Abrace a sensação, diz a AUM, acolha o que for que o seu corpo sentir e a experiência será libertadora. 

meditação AUM

Meditação AUM – Festival Vida, Amor e Riso. (todas as fotos pertencem ao Centro Metamorfose).

 

Tive a grande oportunidade de conduzir esse trabalho no festival Vida, Amor e Riso que tivemos na Comuna Metamorfose no último reveillon. É uma experiência incrível poder acompanhar o processo das pessoas com um outro ponto de vista, cuidando de cada um, tomando cuidado para não se envolver. Enfim, é um aprendizado sem igual.

 

Dia 25 de Outubro, na Unidade Metamorfose da Vila Madalena, às 16h teremos um encontro para 20 pessoas que queiram participar desse processo lindo de terapia energética, sentimental e emocional. O encontro deve seguir até 19h30min, 20h no máximo, já incluso o tempo de socialização e bate papo antes e depois da prática. A contribuição para esse trabalho é de 100R$. Será um grande prazer compartilhar esse aprendizado com todos vocês! A inscrição pode ser feita pelo formulário abaixo:

 

 

Inscreva-se aqui

 

[ARForms id=104]

 

Abraço!

 

 

Por que o sexo casual parece tão atraente?

sexo casualNão pretendo aqui cair numa esfera de falso moralismo, dizendo coisas como “sexo é para procriação” ou “sexo antes do casamento é pecado”. Nada disso. Pretendo sim, buscar entender, porque na sociedade que vivemos a proposta do Sexo Casual, o sexo com pessoas quase aleatórias, com as quais não temos nenhuma intimidade, têm se mostrado tão interessante quando comparado a um relacionamento duradouro.

Talvez seja um círculo de amizades perturbado, mas é fato que tenho visto, cada vez mais, pessoas procurando alternativas de conseguirem se aproximar da proposta de sexo casual, buscando assim dissociar a ideia de sexo com o vínculo do relacionamento. Nada contra. O importante é buscar sempre a felicidade, seja como for.

A pergunta que faço é: por que lidar com a energia sexual dessa maneira? O que existe em uma transa sem intimidade que não existe no sexo com um parceiro fixo, de longa data? 

A primeira palavra que vem à tona é novidade. É o argumento que muito ouço por aí. 

Sexo não gasta com o tempo – o que acaba é a criatividade. Parto do pressuposto que uma pessoa, para se tornar um parceiro de longa data, deve ter despertado uma química, uma atração sexual que, com o passar do tempo, foi ficando morna. Mas a culpa disso não está no sexo em si. Quantas pessoas que relatam estar enjoadas do sexo na relação sequer conhecem o corpo do parceiro a fundo? Quantos conseguem realmente se conectar durante o ato sexual de maneira a não ficarem presos nos pensamentos do passado e do futuro, mas sim vivenciar uma experiência plena dos sentidos, baseada no aqui-agora? Quantos transam pensando no trabalho, no celular, na caixa de emails que nunca zera? É a falta de presença faz as pessoas viverem em trabalhos que não gostam, em cidades que não suportam e em relacionamentos vazios. 

Há quem diga que o tesão acaba. Eu amo minha parceira, mas não sinto mais atração.

Claro que acaba. Tudo que você não tomar conta vai acabar mais rápido. Experimente fazer isso com dinheiro e veja quanto tempo ele dura. Todas as coisas que você não cuida duram menos do que aquelas que você cuida; é um fato. O que você tem feito para manter o tesão na sua relação? Uma transa de 10 minutinhos por semana na qual você e sua parceira sequer se olham no olho? A mesma posição e os mesmos estímulos de sempre? Por acaso você já perguntou pra sua parceira como e onde ela gosta de ser acariciada? Já compartilhou os seus desejos com ela? Assim como pessoas brigam e fazem as pazes o tesão da relação pode diminuir ou aumentar, de acordo com a intenção e com a vontade de ambos presentes no relacionamento. 

Não quero diminuir o valor do sexo casual de maneira nenhuma. Como disse no começo; se é a escolha que te faz feliz, siga em frente com alegria. Mas desde que seja uma escolha. Ficar pulando de cama em cama, transando com pessoas as quais sequer chegamos a conhecer pode ser uma boa escolha, mas fazê-lo porque você encontra uma dificuldade em manter uma relação séria, duradoura e, claro, com muito tesão, pode sim ser um problema.

No Tantra aprendemos um caminho de desenvolvimento sensorial, de percepção e intensificação da energia sexual presente no nosso corpo. Esse aprendizado nos ensina ficarmos absolutamente presentes, em um estado meditativo, usando todos os sentidos para, em uma troca com o nosso parceiro, elevarmos a nossa consciência a um estado diferenciado. É preciso entrega, confiança e intimidade para que isso aconteça. E, ironicamente, quanto mais fundo se mergulha nesse poço de amor, mais forte fica a energia sexual. 

Nós aprendemos tudo sobre a sexualidade de maneira muito deturpada no mundo de hoje. Por isso as relações ficam rasas, sem graça e sem tesão. O Tantra anda na contramão desses (des)ensinamentos e mostra um caminho diferente. Um caminho no qual a intimidade e a confiança não acabam com a novidade e sim, dão um tesão danado.